Confira dicas sobre gestão de viagens com Fernão Loureiro

Home / Entrevistas / Confira dicas sobre gestão de viagens com Fernão Loureiro
Confira dicas sobre gestão de viagens com Fernão Loureiro

Para estruturar o setor de viagens corporativas de uma empresa, um gestor de viagens tem que saber de tudo um pouco. Por isso, se atentar aos detalhes é fundamental.

Hoje nós trouxemos uma entrevista com o Fernão Loureiro, CEO da Loureiro Consultores, que já trabalhou em empresas como Ambev, Souza Cruz e Philips, além de ter sido eleito em 2019 como o melhor de gestor de viagens corporativas do Brasil, pelo Portal Panrotas.

No nosso papo, Fernão nos deu dicas essenciais sobre o mercado, habilidades que todo gestor de viagens deve ter e muito mais. Confira abaixo!

Como você explicaria o que a sua empresa faz?

“A Loureiro Consultores ajuda o cliente a gerenciar a sua área de viagens e eventos corporativos. A criação, implementação e revisão da política de viagens é uma parte das tarefas. Também ajudamos a criar plano de comunicação interno com viajantes e stakeholders, além de ajudar com o financeiro, compartilhar a política de viagens com os fornecedores, agências, OBT e expense. Ajudamos a renegociar contratos e parcerias e a administrar o dia-a-dia operacional. A ideia é que o cliente terceirize a gestão da operação de viagens.

Também trabalhamos com quem quer atender melhor o seu cliente, sem distinção de ser hotel, agência de viagens ou empresas no geral. Isso também é importante para que os stakeholders consigam atender melhor os gestores de viagem. Revisitamos processos, treinamos a equipe, para conseguir que o fornecedor atenda melhor o cliente corporativo. Na verdade, nós nos classificamos como um hub de gestão de negócios, não apenas gestão de viagens.”

Qual o maior desafio do setor hoje?

“Administrando o setor de viagens dentro de uma empresa, o mais complicado é conseguir unir todas as pontas. Fazer com que os dados do financeiro e do RH batam com os dados de viagem, com a estrutura do centro de custo e de aprovadores, além das hierarquias, departamentos. Tudo estar amarrado entre OBT, expense, cartão de crédito… É a parte mais difícil, até mais que a experiência do usuário. Apesar de a experiência do usuário ter muito chão ainda pela frente, é algo que já melhorou bastante nos últimos 5 anos.”

Você tem dicas de boas práticas para gestores de viagens?

“Ter controle administrativo, conhecer a sua área, enxergar a área como um pequeno negócio em que você tem que fazer um controle a parte. A partir desse controle, você consegue estruturar melhor onde vocês estão, onde vocês querem chegar e de quem vocês irão precisar para atingir determinado objetivo. Em seguida, a busca por parceiros começa a ser feita. Parceiros de tecnologia, agência, companhia aérea, entre outros. É importante ter esse início, para quando acontecer um problema, você já ter metade da solução pronta. Mapear é o primeiro passo, de preferência fazendo um brainstorming com pessoas externas, para te trazer reflexões que tragam soluções diferentes para a sua área. Além disso, fazer a gestão com disciplina, garantindo follow ups efetivos.”

O que você acha que irá mudar no “novo normal”?

“A digitalização de processos será fundamental para facilitar a vida do usuário. De imediato, eliminação de processos desnecessários. Muitos gestores aproveitaram esse momento de baixa para revisitar processos e eliminar desperdícios. O famoso fazer mais com menos.”

Qual é a melhor forma de fazer uma política de viagens efetiva?

“Não existe solução mágica. A política de viagens tem que ser muito abrangente e discriminar todos os assuntos, pois aquilo que não é abordado, abre brechas para práticas incorretas. A política completa com várias páginas tem que existir, porque a área de viagens é complexa e não pode ser simplificada. Então é melhor destrinchar bem as regras, para que as possíveis dúvidas sejam sanadas, do que fazer algo muito curto, que irá acabar gerando mais dúvidas. Porém, é interessante fazer um arquivo à parte resumindo tudo com key topics, para facilitar e fixar a leitura. “

Tem alguma habilidade que você acredita que deveria ter adquirido antes, no início da sua carreira, e que hoje você vê que é fundamental?

“A troca de informações com outros gestores. Talvez você esteja passando por um problema que outro gestor já passou e por isso ele pode te ajudar a passar por aquele problema muito mais rápido. “

Quais soft skills são fundamentais para um gestor de viagens?

“A primeira, seria a escuta ativa. Pois você tem que ser um excelente ouvinte. A segunda, inteligência relacional. Pois você irá lidar com diversos interesses e áreas dentro de uma empresa, além de diversos fornecedores, e em alguns momentos esses interesses serão conflitantes. E por último, a resiliência, saber ouvir um não e não levar para o lado pessoal, não desistir de cara daquele desafio enfrentado, pois talvez a ideia que você tentou não era algo ruim e sim o momento que não era propício.”

Por último, podemos citar que a Loureiro Consultores acaba de fechar uma parceria com a B3. Por ser um hub de inovações, é fundamental se aliar com empresas que tenham valores semelhantes e estejam sempre procurando inovar.

E aí, você está pronto para colocar as dicas em prática? Como o Fernão disse, é importante estar sempre em contato com quem tem experiência no assunto. Por isso, acompanhe o nosso blog e fique por dentro!

Leave a Reply

Your email address will not be published.