Saiba de onde surgiu o ESG e conheça suas vantagens!

Saiba de onde surgiu o ESG e conheça suas vantagens!

Se você costuma acompanhar publicações sobre investimentos e o mercado empresarial já deve ter se deparado com a sigla ESG. Ainda que não seja um termo estranho e totalmente novo para você, faz ideia do que essa sigla quer dizer?

Nós vamos te ajudar a mergulhar nesse assunto falando tudo sobre ESG!

Essa sigla significa environmental, social and governance, que pode ser lida em português como “ambiental, social e governança” – referindo-se aos três critérios que nos ajudam a medir os principais impactos sociais e ambientais que um investimento pode causar a uma empresa. 

É interessante destacar que esses fatores têm ganhado cada vez mais destaque em nossa sociedade (o que faz bastante sentido quando percebe-se que, cada vez mais, as empresas valorizam profissionais com atitudes responsáveis com o meio ambiente, a sociedade e a própria gestão). 

Em razão desse interesse, os investidores e fundos de investimento passaram a ter um olhar mais criterioso com assuntos como a própria sustentabilidade e a possibilidade da governança corporativa ao longo das decisões de onde colocar dinheiro!

Aprenda mais sobre o que é ESG e confira onde esse conceito surgiu. Acompanhe!

Afinal, o que é ESG para as empresas?

Como apresentamos no início do conteúdo, o termo ESG é uma sigla em inglês que reúne as palavras environmental, social and governance. Em português, essa sigla  pode ser traduzida como “ambiental, social e governança”.

De forma geral, podemos dizer que o termo ESG é usado para nomear a ação/missão de uma empresa que assume responsabilidades para diminuir os danos causados ao meio ambiente. Em razão disso, essas empresas não só estão atuando de maneira sustentável, como também colocam em prática as melhores práticas administrativas. 

Por outro lado, essa mesma sigla acaba sendo utilizada ao falar sobre investimentos que consideram critérios de sustentabilidade e não somente os que têm relações diretas com os financeiros da instituição. 

Ou seja, antes de aplicar dinheiro em determinado negócio, o investidor que tem interesse de compra deve observar quais são também seus os fatores ambientais, sociais e de governança da empresa.

Saiba quais são as razões da inserção de cada letra nessa sigla:

  • Environmental ou ambiental: diz respeito às práticas da empresa e à conservação do meio ambiente – o que inclui atuação sobre assuntos como poluição do ar e da água, emissão de carbono na atmosfera,  o aquecimento global, desmatamento, escassez de água, dentre outros;
  • Social: A letra S está relacionada à forma como a empresa lida com seus funcionários e, claro, também lida com a comunidade do entorno. O objetivo é proteger os dados dos clientes e formar uma equipe bastante diversificada (e extensa), além de participar e cumprir a legislação trabalhista em vigor;
  • Governance ou governança: A governança, por sua vez, está relacionada à gestão da empresa – como o comportamento da empresa, o relacionamento com o governo e a existência de canais de denúncia.

Por que o ESG está tendo tanto destaque?

A sigla ESG está ganhando cada vez mais destaque em empresas em um contexto em que a sociedade valoriza o respeito ao meio ambiente, às pessoas e a empresas bem administradas. 

Esses requisitos refletem o comportamento de uma nova geração (como a Geração Z, que valoriza cada vez mais o consumo transparente e responsável da marca).

Por conta dessas necessidades do consumidor, pesquisas mostram que empresas que seguem boas práticas ambientais, sociais e de governança são mais estáveis ​​e podem trazer maior lucratividade no longo prazo. 

É por esse contexto que tanto os investidores quanto os fundos de investimento também consideram tais critérios na hora de decidir onde devem aplicar recursos.

Quando e como surgiu o termo ESG?

O fato do termo ESG ter se popularizado somente agora não anula o fato de existir uma preocupação em investir nas empresas sustentáveis há um tempo considerável. 

Inclusive, um termo conhecido como Socially Responsible Investing (ou investimento sustentável responsável em português) já havia surgido entre 1970 e 1980 – que foi quando os fundos de investimento começaram a considerar os critérios sociais quando tomavam uma decisão sobre quais empresas mereciam receber recursos de investimentos.

Na década de 1970, ou mais especificamente em 1971, também foi criado o primeiro fundo de investimento responsável: Pax Sustainable Allocation Fund Investor Class (PAXWX) – criado para restringir investimentos às empresas que financiaram a Guerra do Vietnã.

Já na década de 1980, buscavam evitar conceder investimentos em empresas que poderiam ser responsáveis por catástrofes ambientais (como o Desastre de Bhopal na Índia, causado por toneladas de gases tóxicos que vazaram de fábricas de pesticidas). E nessa mesma época os negócios algumas pessoas começaram a perceber o quão importante era reduzir impactos negativos no meio ambiente para continuar tendo influência no mercado.

Ao longo do tempo, a preocupação com investimentos SRI foi se fundindo às novas vias de responsabilidade corporativa dos negócios, e foi em 2005 que a sigla ESG surgiu oficialmente no relatório Who Cares Wins – resultado de uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Nessa iniciativa, inclusive, diferentes instituições financeiras de vários países se reuniram para poder definir as diretrizes de como considerariam questões de meio ambiente, sociais e de governança em investimentos. 

Por consequência, os critérios ESG são considerados até hoje para tomar qualquer decisão sobre investimentos e também servem como incentivo para que as empresas melhorem sua performance de investimentos a longo prazo.

Como colocar ESG na prática? Confira ações que a sua empresa pode realizar!

Na prática, os fundos de investimento analisam e classificam as empresas com base nos padrões ESG para fazer contribuições diretas. Algumas pessoas até investem apenas em empresas que adotam as melhores práticas.

Os resultados das empresas que apostam nestas boas práticas são positivos não só na captação de investidores, mas também na percepção do mercado.

Se sua empresa deseja adotar essas práticas, mas você não sabe como começar, verifique algumas das ações que compõem cada letra da sigla ESG:

Ambiental

  • Desenvolver embalagens recicláveis ​​ou reduzir o uso de plásticos;
  • Use materiais reciclados no escritório e digitalize o máximo possível para reduzir o desperdício;
  • Utilizar fontes de energia limpa e renovável que não emita poluentes, como eólica e solar;
  • Descarte resíduos e efluentes de maneira adequada.

Social

  • Permitir às mulheres conciliar ocupação e maternidade, e proporcionar um ambiente favorável para isso;
  • Facilitar o diálogo entre colaboradores e lideranças;
  • Desenvolver projetos sociais com as comunidades locais;
  • Promova ou patrocine eventos culturais e sociais.

Governança

  • Ter conselho de administração, priorizando os membros não contratados pela empresa;
  • Contratar fornecedores e funcionários terceirizados honestos;
  • Ter uma estrutura hierárquica clara com cargos e funções específicas;
  • Seja transparente e divulgue informações importantes.

Como obter melhores indicadores ESG?

Caso você ainda tenha mais dúvidas mesmo depois de ler sobre o tema desse artigo, você pode tentar atingir os melhores índices ESG na sua empresa fazendo  parcerias com startups que desenvolvem soluções com esse foco, por exemplo.

A Portão 3 oferece soluções focadas em ESG. Saiba como a gente trabalha com o ESG aqui

Leave a Reply

Your email address will not be published.