Trabalhar viajando ou viajar trabalhando? Conheça a História de Matheus de Souza, Nômade Digital, que leva esse conceito ao pé da letra.

Home / Entrevistas / Trabalhar viajando ou viajar trabalhando? Conheça a História de Matheus de Souza, Nômade Digital, que leva esse conceito ao pé da letra.
Trabalhar viajando ou viajar trabalhando? Conheça a História de Matheus de Souza, Nômade Digital, que leva esse conceito ao pé da letra.

Já pensou em viver sem residência fixa? Fazer do mundo sua casa? Carregar seu escritório na mochila? Poder trabalhar de qualquer parte a qualquer hora? Essa é a vida de um nômade digital.

Existem inúmeros motivos para fazer uma viagem, mas poder trabalhar viajando é um sonho que muitos têm.

Nós entrevistamos Matheus de Souza, nômade digital que já foi eleito Top Voice 2016 no Linkedin e ele nos contou um pouquinho sobre a sua rotina, além de compartilhar histórias incríveis que foram acumuladas ao longo desses 3 anos na estrada.

O início de tudo…

Primeiramente, Matheus iniciou a nossa conversa contando sobre quando começou a cogitar levar essa vida em meados de 2015, por ser uma pessoa que valoriza muito a flexibilidade e liberdade. Naquela época, ele percebeu que o trabalho dele poderia ser feito de forma 100% remota, desde que tivesse uma boa conexão com a internet:

“Surgiu o questionamento: e se eu, literalmente, trabalhasse em qualquer lugar do mundo? A partir daí criei um planejamento para tirar esse sonho do papel. Em janeiro de 2017 me demiti do meu último emprego como CLT e caí no mundo.”

Dicas para viajantes corporativos

Por estar há tanto tempo viajando, pedimos algumas dicas para quem vai viajar a trabalho nesse início de ano. Ele afirmou que devido ao ritmo lento de viagens, este é com certeza um ótimo momento para se planejar e escolher os melhores lugares com mais calma. Além disso, é interessante você criar a sua rotina de trabalho remoto para quando estiver viajando.

Histórias e momentos marcantes

Enquanto isso, partindo para o lado mais pessoal, o que com certeza deixa as pessoas mais curiosas sobre os nômades digitais são as suas histórias. Ao falar sobre as suas experiências mais marcantes, o Matheus nos deu uma ótima resposta:

“Acredito que os momentos marcantes são aqueles em que olhamos uma fotografia e conseguimos lembrar perfeitamente das sensações que sentimos. Os cheiros, os gostos, as conversas.

Eu por exemplo, senti o cheiro dos girassóis na Itália, nadei com plânctons na Tailândia, fiz a trilha de Laguna de Los Tres na Argentina. Exagerei na pimenta no México, utilizei hashis de metal para comer arroz na Coreia do Sul, me lambuzei com pasteis de Belém em Portugal. Bebi limoncello com membros da força aérea italiana e cerveja com o ex-capitão da seleção de futebol da Groenlândia (que eu nem sabia que tinha uma seleção). 

Em resumo, percebi que o grande valor da vida está nas experiências que vivemos, não nas coisas que temos. E o mais importante, troquei o “ter” pelo “ser”. Estou me desapegando aos poucos dos meus bens materiais e me sentindo cada vez mais leve – e livre. “Menos é mais” virou um mantra. Estou vivendo a vida que escolhi viver. A vida que vale a pena ser vivida, como diria o filósofo Clóvis de Barros Filho.”

Quer se tornar um nômade digital?

E para finalizar, nós pedimos algumas dicas para quem quer seguir o estilo de vida de um nômade digital:

“A principal dica é encontrar um equilíbrio. Eu percebi que prefiro ficar entre 2 e 3 meses em cada lugar – e não mudar de país toda semana. Isso pode ser cansativo e prejudicar o trabalho. Todos temos ritmos diferentes, mas acredito que encontrar  o equilíbrio entre trabalho e lazer seja fundamental para que o nomadismo digital não se torne uma experiência frustrada.”

Por outro lado, Matheus lançou seu livro “Nômade Digital: um guia para você viver e trabalhar como e onde quiser” e o sucesso foi tanto que ele foi finalista do Prêmio Jabuti 2020 na categoria Economia Criativa. No livro, ele mostra o passo a passo para aqueles que estão pensando em abandonar a vida de escritório. 

Enquanto isso, ele está escrevendo o seu segundo livro, uma coletânea com crônicas de viagem, contando algumas histórias que ele viveu ao longo desses anos. O título provisório é Passageiro e ele deve sair no segundo semestre de 2021.

E aí, gostou de saber mais sobre a vida de um nômade digital? Tem dúvidas? Siga o Matheus no LinkedIn clicando aqui, temos certeza que você irá gostar do seu conteúdo! E se quiser ler mais artigos no nosso blog, fique à vontade, clicando aqui!

Leave a Reply

Your email address will not be published.